As ruas querem o NOVO


image1

NOVO nas Ruas – Iniciando o dia na Avenida Paulista (dez/15)

 

Por Alfredo Fuentes, exclusivo ao 30Diários,

O NOVO nas Ruas fez sua primeira ação de divulgação pública em 30 de agosto de 2015, no coração de São Paulo. Sete bravos voluntários foram a Avenida Paulista, em um sugestivo domingo “nublado”, a fim de conversar com as pessoas e distribuir panfletos com os valores de um novo projeto partidário de fazer política. Um partido NOVO, cujo registro só seria aprovado pelo TSE duas semanas mais tarde, após um longo esperar.

Desde então, nosso movimento foi crescendo, semana após semana, cidade após cidade, e hoje conta com mais de 90 voluntários apenas na capital paulista. Com a ajuda de todos e uma descentralização organizada, foi possível realizar ações todos os finais de semana e não apenas na Avenida Paulista mas também em todas as regiões da cidade: Oeste (Lapa, Pinheiros, Parque Villa Lobos), Centro (Benedito Calixto, Liberdade), Sul (Parque do Povo, Largo Treze de Maio), Norte (Santana) e Leste (Tatuapé).

Desde então, somamos mais de 45 ações e mais de 10.000 pessoas abordadas. Com nosso trabalho voluntário cadastramos mais de 2.450 cidadãos interessados em uma mudança política pragmática e em receber noticias do Partido NOVO.

Durante todo este período, mantivemos as ações sem qualquer problema em nenhum dos locais que frequentamos. Conscientes de nossos direitos e deveres, nunca fomos importunados pela  fiscalização da prefeitura, da Policia Militar ou da Guarda Civil Metropolitana. Até o último domingo.

Este cenário mudou e, pela primeira vez, nossa estrutura de trabalho – uma pequena mesa e um guarda sol – foi proibida de ser utilizada, por ordem direta da Prefeitura da Cidade de São Paulo, administrada pelo Partido dos Trabalhadores.

 

As 11:15 da manhã do dia 6 de março, a fiscalização da sub prefeitura da Sé , seguindo ordens do sub prefeito e acompanhada por três Guardas Civis Metropolitanos, nos ordenou a imediata desmontagem e retirada da estrutura.

"Projeto de Lei"

Ação fundamentada em “Projeto de Lei”

x (3)

Artigos do “Projeto de Lei”

 

A arbitrariedade deste ato é tão evidente que não nos foi apresentado qualquer embasamento que legalizasse o impeditivo. Ficando explícito o viés político da decisão da Prefeitura, em flagrante desrespeito a liberdade de expressão.

Em um momento de acirramento da disputa política , em que o líder do Partido do prefeito Haddad conclama sua militância para a “guerra”, a decisão de proibir a atuação pacifica e ordeira de um movimento político não alinhado as ideias de seu mentor é forte indicativo de que a prefeitura de São Paulo não esta a serviço dos interesses do cidadão paulistano mas, sim, de um projeto político de poder que encontrou seu ocaso nas ruas que hoje querem uma nova mentalidade política, querem o NOVO.

ALFREDO ADOLFO SCHNABEL FUENTES, 47, é administrador de empresas, casado e  voluntário do Partido NOVO desde julho de 2014, sendo coordenador do grupo Novo nas Ruas do Núcleo de São Paulo.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s