Bolsonaro, Feliciano e Malafaia? Não me coloque nesse balaio.


Alexandre Reis - NOVO, SP

 

O maniqueísmo e o pensamento binário são comuns às esquerdas. As esquerdas pensam assim: “Se você não está comigo, você é meu inimigo, e meus inimigos são todos uma coisa só”. Repare que estou sendo generoso e não vingativo. Poderia dizer “A Esquerda” como eles dizem “O Capital”, “O Mercado” e “A Direita”. Mas eu consigo enxergar diferentes tons de vermelho.

Já vi em discussões com gente supostamente esclarecida, afirmações absurdas, do tipo: “Melhor a Dilma ficar do que esses homofóbicos assumirem”, “Vivemos uma onda conservadora”, “Vocês fazem protestos contra o comunismo ateu” e “Mas como é possível você ser de um partido de direita e não defende a ditadura?” – e aqui uma observação: o próprio partido NOVO defini-se como sendo Liberal.

Esse tipo de argumentação parte da estratégia de rotular, criar fantasmas, ameaças imaginárias e aglutinar os desinformados.

Felizmente, fatos são argumentos, portanto, aqui vai um FAQ, transformando mentiras frequentemente ditas pelas esquerdas em perguntas, com respostas que vão além do clichê binário.

Se Dilma cair os homofóbicos assumem?

Um liberal minimamente coerente não crê que é função do Estado se meter em com quem as pessoas se relacionam. Essa é uma decisão soberana do indivíduo Ao mesmo tempo, é importante lembrar: o regime cubano por décadas perseguiu os homossexuais, como política de Estado. A Ditadura cubana já pediu desculpas públicas por isso (vide link ao final do texto). Quem dera Jean Willys não ignorasse esse tipo de atrocidade.

Vivemos uma onda conservadora?

Ah é? O Estado Islâmico chegou no Brasil? Vamos fazer assim então, corre lá no Youtube e pesquisa a música Baile de Favela, um dos vídeos mais assistidos no Youtube brasileiro em 2015 / 2016. Não vou em hipótese alguma, escrever a letra aqui, mas ouça com seus próprios ouvidos e veja se essa obra, entre outros funks, condizem com uma “onda conservadora” ou qualquer tipo de “fundamentalismo cristão”.

Quer mais? Em 2014 tivemos o fim da novela Amor à Vida, que teve um famoso beijo gay. O personagem gay Félix, era um sucesso e a novela fazia boa audiência. Na última cena, a aceitação do pai preconceituoso ao filho gay. Antonio Fagundes dá a mão a Mateus Solano e diz “Te amo, filho”. Sinceramente, você acha que uma novela como essa era possível em 1994? Evidente que não.

Entre os jovens de 18 a 24 anos, o número de brasileiros favoráveis a união civil homossexual nunca foi tão alto: 60% (link abaixo). Dos 3 principais candidatos a presidência ano passado, os 3 diziam que tinham o mesmo entendimento do STF sobre o assunto, nenhum se opunha. Onda conservadora?

E a ditadura?

Como no Brasil a ditadura tinha discurso anti-comunista, tem gente que associa direita a ditadura. Em primeiro lugar, ditaduras de esquerda mataram mais. Em segundo, a matriz econômica da ditadura brasileira, o nacional-desenvolvimentismo, é o mesmo que seduz alguns ideólogos do PT e da esquerda: grandes estatais, crédito público, grandes obras com dinheiro público, e a ilusão de que o Estado sempre será o condutor da economia, não a sociedade.

Os liberais rechaçam radicalmente qualquer forma de autoritarismo, não tendo absolutamente nada a ver com a velha e estatista ditadura brasileira, ou qualquer outra ditadura, em qualquer tempo.

Vamos pra rua pra eleger Bolsonaro?

Bolsonaro é liberal de ocasião, ou melhor, um sujeito que agora adota um discurso pseudo-liberal na economia. Seu partido é um partido de aluguel, que recebe fundo partidário, ou seja, representa o que o Partido NOVO, ao qual sou filiado, repudia. Não adianta ser liberal e exaltar torturadores em votos abertos. Liberais amam a liberdade, que é o oposto dos que louvam qualquer espécie de ditadura, de esquerda ou de direita.

Bolsonaro é, na prática, um sujeito muito mais útil às esquerdas, por virar uma espécie de monstro “do outro lado” na visão deles, do que aos liberais brasileiros ou qualquer um que se oponha ao petismo e seus satélites (psolismo, PC do B). Por isso, não me coloquem, jamais, no mesmo balaio que Bolsonaro, Feliciano, Malafaia ou Pastor Everaldo. Liberdade de credo, sim. Mas o Estado é laico, e que essa laicidade valha não apenas para religiões assumidas, mas também para aqueles que transformam seus partidos em religião e seus políticos em deuses.

REFERÊNCIAS

60% dos jovens de 18 a 24 anos são a favor da união homoafetiva.

Antes do PT, eram as ditaduras que criavam estatais a rodo

O PT é uma religião? Para Gilberto Carvalho parece que sim

Fidel admite que perseguiu gays

Alexandre Reis é publicitário e microempreendedor.  Aprendeu na prática a desconfiar do Estado em todos os aspectos e acredita na vocação empreendedora do brasileiro e no potencial do indivíduo.

 

Um comentário sobre “Bolsonaro, Feliciano e Malafaia? Não me coloque nesse balaio.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s